Outras notícias

Setembro de 2005

 

Nota de Imprensa

 

Museu da Lourinhã anunciou
novas descobertas de dinossauros

 

O Museu da Lourinhã anunciou novas descobertas de dinossauros,
incluindo algumas pegadas enormes e um novo achado de um dinossauro saurópode que foi descoberto por um jovem de 10 anos.

 

Novos Dinossauros na Lourinhã

 

Um dinossauro saurópode, foi descoberto pelo mais novo voluntário do Museu da Lourinhã, Alexandre Silva, um jovem com apenas 10 anos, na Quinta da Galeana, apenas a 2 km da Lourinhã. O seu entusiasmo e interesse pelos dinossauros levaram-no a colaborar com o Museu e, depois disso, a fazer o achado da sua vida.

O dinossauro é da família dos Diplodocus, que compreende alguns dos mais compridos dinossauros que se conhecem, embora este exemplar agora recolhido ainda não tivesse atingido a sua dimensão máxima. Era um jovem de apenas 15 metros de comprimento. Esta família de dinossauros já era conhecida em Portugal, pois o Museu da Lourinhã já tinha identificado uma nova espécie na Praia de Porto Dinheiro, apenas a alguns quilómetros deste novo sítio, o que lhe valeu o epíteto oficial de Dinheirosaurus lourinhanensis.

O dinossauro está envolvido numa rocha de arenito extremamente dura e que vai levar meses a ser todo preparado em laboratório. Cada semana de recolha no campo implica alguns meses de trabalho no laboratório, pelo que o museu lourinhanense está a apelar a todos os interessados e curiosos para se inscreverem como voluntários no museu para ajudarem a escavar este dinossauro no laboratório.

A temporada de escavações de 2006, que ocorreu em Agosto, prolongando-se até dia 7 de Setembro, contou com a orientação do paleontólogo Octávio Mateus, especialista em dinossauros do Museu da Lourinhã e Universidade Nova de Lisboa, e a participação de uma trintena de voluntários nacionais e estrangeiros. Além de alunos de várias universidades portuguesas a equipa de escavação contou ainda com a presença de voluntários de Inglaterra, França, Canadá e Venezuela.

 

Novas pegadas

 

Foram descobertas cerca de 25 novas pegadas de dinossauros nas arribas da Lourinhã, onze das quais foram recolhidas para o Museu. Estas pegadas são, na verdade, os moldes naturais da pegada o que permite, 150 milhões de anos depois, estudar o movimento da passada.

Foram identificadas pegadas de estegossauros, anquilossauros, saurópodes e terópodes, ou seja, representantes dos grandes grupos de dinossauros que existiram no Jurássico, o que deixa entusiasmados os paleontólogos Octávio Mateus, do Museu da Lourinhã e Universidade Nova de Lisboa, e o dinamarquês Jesper Milàn, do Instituto Geológico de Copenhaga, que estiveram à procura de pegadas.

Uma das jazidas, na Praia de Porto Dinheiro, revelou uma variedade de pegadas bem conservadas. Incluem três pegadas de dinossauros carnívoros com 35 cm de comprimento, uma pegada bem conservada de pé de dinossauro estegossauro, a primeira que se descobre em Portugal deste tipo de dinossauro.

Foram também recolhidas enormes pegadas, com 1 metro, de dinossauro saurópode e que ainda conservam impressões da pele. Estas pegadas mostram que as escamas dos dinossauros saurópodes tinham um padrão hexagonal e é talvez a melhor impressão de pele das patas dos saurópodes que se conhece.

Uma das descobertas mais interessantes refere-se a uma pegada de um dinossauro carnívoro de proporções gigantescas. A pegada de quase 80 cm indica que se tratava de um animal com três metros e meio até a altura da anca. Este é o indício do maior dinossauro carnívoro do Jurássico, e são quase do tamanho das pegadas do famoso Tyrannosaurus rex do fim do Cretácico.

A geologia da Lourinhã tem características excepcionais, sendo um dos poucos locais onde se recolhem restos esqueléticos e pegadas na mesma área. Esta particularidade permite aos paleontólogos estabelecer a relação entre as pegadas e os dinossauros que as produziram.


Outras notícias